nov 27

Diferenças de gerações e a geração do “bullying”

Algumas ferramentas da semiótica greimasiana serão utilizadas para análise do percurso gerativo de sentido de um texto sobre “bullying” publicado na internet. O texto apresenta o posicionamento crítico de um pai português sobre a questão, levantando hipóteses sobre as razões deste fenômeno e realizando comparações entre a trajetória na infância e adolescência da geração atual e de sua geração. Os focos das análises serão as modalizações dos sujeitos e os percursos narrativos dos envolvidos em situações onde se caracteriza o “bullying”, tentando mostrar a base lógica das afirmações e suposições apresentadas no texto.
Autores: Lucas Coelho

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 27

Megan e Josh – um caso de veridicção

Será apresentado o caso de Megan Taylor Meier, uma adolescente de 13 anos nascida em Dardenne Prairie, nos EUA. Sob o olhar teórico da veridicção da semiótica será analisado este Cyber Bullying que culminou no suicídio de Megan. A razão que a levou a depressão foi o término do namoro virtual com Josh, um personagem criado por suas vizinhas. Link: http://www.youtube.com/watch?v=v-u17Qk6zyA&feature=related
Autores: Anderson Pimentel Borges

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 27

A polêmica sobre o blog “O mundo precisa de poesia”: uma análise semiótica

Este artigo tem o objetivo de analisar duas notícias sobre o projeto “O mundo precisa de poesia”, da intérprete brasileira Maria Bethânia. Os pressupostos teóricos estão ancorados em algumas categorias do percurso gerativo de sentido da Teoria Semiótica francesa. Espera-se que este trabalho possa contribuir para um quadro de reflexões sobre o blog em geral e, em particular, sobre uma paródia desse blog, que nos remete à  questão do bulling nesse espaço digital.
Autores: Rafael Batista Andrade

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

UM DISCURSO NARRATIVO DE BULLYING NO CYBERESPAÇO

No contexto das mídias sociais, o estuda da narratividade segundo a Semiótica Greimasiana permite uma análise do processo lingüístico de interação humana em ambiente digital. Alinhando-se ao tema atual de utilização dessas mídias em suporte tecnológico como ferramentas de ensino em EAD, este trabalho analisa os mecanismos intradiscursivos que conferem significação a um texto produzido por blogueiro sobre bullying.
Autores: Andréa Marques de Azevedo
Geórgia G. Cordeiro Dantas

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

Casey Haynes: estudo semiótico de um caso de bullying registrado em vídeo

O registro audiovisual de um conflito entre estudantes australianos ficou conhecido mundialmente por meio da intensa difusão em sites de compartilhamento de vídeos. As imagens apresentam a agressão a um estudante que reage subitamente, e com uma força inesperada derruba o agressor no chão. O vídeo de Casey Heynes (http://www.youtube.com/watch?v=eyVilspkzBg) ficou conhecido popularmente como Zangief Kid, em referência a um personagem de videogame que utilizava um golpe semelhante ao que foi aplicado no conflito. As imagens impressionaram o mundo e levantaram uma importante discussão nas escolas, alertando pais e professores sobre um tipo de violência que se tornou conhecida como bullying. Esta é caracterizada por agressão moral e/ou física praticada por determinados sujeitos ou por grupos sociais com o objetivo de intimidar, insultar ou humilhar suas vítimas. Neste trabalho, analisa-se, sob a perspectiva da teoria semiótica de linha francesa, o acontecimento como sequência de ações e reações que constroem diferentes sentidos no processo enunciativo. A partir da investigação dos planos do conteúdo e da expressão, é privilegiado: o percurso gerativo de sentido, especialmente uma análise no nível narrativo. Outro aspecto que apontamos é o percurso gerativo da paixão, especificamente a moralização, que, segundo a semiótica, é produzido pela incidência de valores do coletivo/social sobre o individual. Dessa forma, confronta-se o sujeito agressor e sujeito agredido na relação homem-mundo. Entre um e outro, entre os estados inicial e final, vislumbra-se intervalos tensivos em que pode-se tangenciar, pelas categorias aspectuais, as gradações que particularizam o bullying no vídeo citado.

Autores: Isabel Cristina Vieira Coimbra Diniz
Daniervelin Renata Marques Pereira
Paulo Henrique Souto Maior

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

ENCERRAMENTO: A respeito da construção semiótica do sentido do bullying e do ciberbullying

Esta proposta de encerramento do evento chama para uma discussão única todos os autores e interessados no tema. Antes que trazer conclusões, trazemos pontos para reflexão. O termo ciberbullying tem sido usado para distinguir o bullying realizado diretamente entre as pessoas do bullying mediado por computadores em rede. Com base na teoria semiótica, vamos discutir a relação entre os dois termos tendo em vista lançar algumas luzes sobre essa diferenciação e possíveis consequências práticas do uso dos dois termos em relação à construção do sujeito na sociedade atual. Trata-se de refletir, portanto: até que ponto o bullying e o ciberbullying são problemas diferentes?
Autores: Ana Cristina Fricke Matte

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

Um estudo semiótico num suposto caso de bullying envolvendo aluna surda

O artigo apresenta um estudo semiótico da veridicção e isotopia, na visão da semiótica francesa, num suposto caso de bullying retratado em um vídeo “Jovem surda é vítima de bullying de colegas e professora em escola no Rio”. A análise do vídeo, na perspectiva da semiótica, mostra como a estratégia da veridicção pode levar o enunciatário a se deixar influenciar pelo enunciador. Ao identificarmos as isotopias utilizadas pelo enunciador, foi possível compreender como elas definem um percurso programático para a construção do efeito de sentido de verdade, interno ao texto, uma espécie de debreagem veridictória que cria o efeito de“plausível”, recurso muito utilizado quando se busca a adesão de um auditório que se alimenta de sensacionalismos.
Autores: Maria do Carmo Ferreira dos Santos
Letícia Capelão

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

Uma Análise Semiótica da Temática bullying em Texto Divulgado em Rede Social

Apresentamos uma análise da narrativa “Aconteceu comigo: bullying”, exposta na rede social Facebook. Com o objetivo de analisarmos contextualmente os envolvidos, pautamo-nos nos níveis do percurso gerativo de sentido – fundamental, narrativo e discursivo –, enfatizando, de acordo com a semiótica francesa, os elementos que mais contribuíram para a construção do sentido do texto.
Autores: Ranielli Santos de Azevedo
Agleice Marques Gama
Francine Mendes

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

CASO CASEY HAYNES: uma abordagem semiótica do bullying na atualidade

O objetivo deste trabalho é refletir sobre o bullying na contemporaneidade a partir de uma análise semiótica (greimasiana) de um texto extraído da Revista Nova Escola, que aborda o caso Casey Heynes. Tais reflexões, por sua vez, têm como propósito entender o papel do sujeito nessa narrativa e sua relação com o objeto. Desse modo, acreditamos ser possível melhor entender essa abordagem acerca do bullying, tema recorrente na atualidade.
Autores: Carlos Castro
Ghisene Santos Alecrim Gonçalves
Ester Junia da Silva
Elisângela Rodrigues Andrade Vieira Helal

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 26

O PODER DA MORALIZAÇÃO SOCIAL – ANÁLISE SEMIÓTICA DE UM VÍDEO SOBRE BULLYING

Análise semiótica de um vídeo sobre bullying, cuja apresentação centra-se no poder da moralização social. Com base nos estudos de Greimas, Algirdas & Fontanille, Jacques (1993), Merleau-Ponty, M.( 1964) e Lara & Matte (2009), examinamos os modos com que o referido vídeo entrelaça diferentes linguagens como estratégia de sensibilização e manipulação em uma campanha contra o bullying.
Autores: Ana Maria de Carvalho Leite
Naziozênio Antônio Lacerda

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui